por: Viagem e Gastronomia Viagem e Gastronomia

Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Nova galeria dedicada à fotografia autoral é inaugurada em São Paulo

    Ouvir notícia

    A Lombardi Galeria inicia sua trajetória com Fabiano Al Makul, em individual que retrata o lado poético de cenas espontâneas encontradas ao acaso

    A Lombardi Galeria, de Álvaro Lombardi, inaugura sua sede com a mostra ” A Minha Poesia Covarde“, do fotógrafo paulistano Fabiano Al Makul, sob curadoria de Diógenes Moura. Composta por 30 imagens que exploram o fascínio do artista por cenas simples e espontâneas, encontradas ao acaso, a exposição é desenvolvida a partir da paleta de cores utilizada em sua produção recente – vermelho, amarelo, verde, azul e rosa -, e busca chamar atenção ao olhar detalhista por elementos como luz, sombra, natureza e geometrias.

    Após processo de aglutinar para selecionar, artista e curador optaram por criação de dípticos e/ou trípticos não apenas influenciados por sua cromacia, mas um amalgama de conceitos e lembranças também baseados na cor. Sem definição conceitual prévia dos temas a serem registrados, Fabiano Al Makul segue a paixão que apreende o olhar quando se depara com o momento. Seus registros se apresentam como músicas visuais. A história por traz da imagem registrada, real ou imaginária, compõe a obra final. “Uma fotografia será sempre um retrato e um retrato será sempre um veredito”, declara o curador.

    Seus personagens são todos e nenhum. Na atual seleção, o humano aparece apenas em poucos registros, mas apenas como composição. Elementos ordinários do cotidiano, a pintura desgastada no asfalto, detalhes da arquitetura, destaques da natureza, a cadeira vazia. Temas banais elevados a categoria de obras de arte com a sofisticação do olhar no momento preciso da fotografia. “Acho irritantemente poético. O irritante, o drama, em poética, é o esplendoroso”, diz o artista. As imagens de Fabiano Al Makul contêm as referências das cidades por onde ele vagou, com câmera na mão, vítima do encontro ao acaso. Como um segredo, cada uma delas rompe a covardia de um verso. “Nesse limite, não há saída: ou tudo, ou nada”, conclui Diogenes Moura.

     

    A Minha Poesia Covarde” não é apenas um verso. Fabiano Al Makul não é apenas um fotógrafo. É transeunte. Ou “enxerga” a cidade e sobrevive ou a “vê” e desaparece. Eis a decisão final. Trata-se de um jogo no singular, um retrato, um livro aberto que página por página poderá mudar a cada instante”, define Diógenes Moura.

    Não são beijos.

    Apenas a covardia do imaginário.

    Irritante mente. Mente poeticamente.

    Irritantemente poético, se encaixaria em qualquer desses nomes de amor. Confesso Certamente não sabe os versos que escreveu para mim” Fabiano Al Makul

     

    Serviço:

    Exposição: “A Minha Poesia Covarde

    Artista: Fabiano Al Makul

    Curadoria: Diógenes Moura

    Coordenação: Álvaro Lombardi

    Período: 21 de setembro a 22 de outubro de 2017

    Local: Lombardi Galeria

    Endereço: Rua Joaquim Antunes, 187, Jardim Paulistano – São Paulo/SP

    Tel.: +55 11 2528-0409

    Horários: Segunda a sexta-feira, das 10 às 19h / Sábado, das 12 às 16h

    Mais Recentes da CNN