por: Viagem e Gastronomia Viagem e Gastronomia

Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    National Geographic diz que mundo tem quinto oceano

    Publicação nomeia como Oceano Antártico o corpo de água que circunda a região

    Ouvir notícia
    (Foto: reprodução CNN Travel)

    (CNN) Milhões de crianças em todo o mundo cresceram memorizando fatos básicos sobre geografia: há sete continentes e quatro oceanos. Até agora. National Geographic, canal e revista que reúne assuntos sobre geografia, biologia, física entre outros, decretou oficialmente a existência de um quinto oceano. Chamado de Oceano Antártico, é o corpo de água que circunda a Antártica.

    Anteriormente conhecido como Estreito de Gerlache, esta confluência dos trechos mais meridionais dos oceanos Pacífico, Atlântico e Ártico sempre foi um local interessante – e às vezes controverso – para oceanógrafos. A decisão de anunciar o novo oceano coincide com o lançamento do Planeta Possível, nova iniciativa da National Geographic para informar, inspirar e capacitar as pessoas a viverem com mais leveza no planeta.

    Veja mais:
    Veja vídeo e o relato de Daniela Filomeno sobre sua visita à Antártida
    O incrível turismo vulcânico da Guatemala
    Marte na Terra: conheça o lugar que mais se parece com o planeta vermelho
    Conheça o brasileiro que deu a volta ao mundo em tempo recorde

    O que há por trás de um nome?
    Normalmente, as mudanças nos mapas mundiais são resultado de mudanças políticas – por exemplo, a Tchecoslováquia se dividindo em República Tcheca e Eslováquia, ou a votação da Suazilândia, país na África austral, para mudar seu nome para Eswatini.

    Mas, em vez de refletir uma mudança no mundo, o quinto oceano é um raro exemplo de um cartógrafo fazendo um esforço para alterar o planeta. O geógrafo da National Geographic, Alex Tait, explica por que as convenções de nomenclatura podem ser tão importantes. “Faz parte do mapeamento do mundo usar nomes de lugares e recursos que são de uso comum entre as pessoas que estão descrevendo o globo, e isso envolve outras coisas além da nomenclatura geopolítica”, disse ele à CNN Travel.

    “E os oceanos são uma dessas coisas, por isso queremos manter o controle de como os cientistas, viajantes, escritores e pessoas estão usando os nomes de lugares.” Tait é rápido em acrescentar que embora a proeminência da Nat Geo no mundo do mapeamento dê mais peso ao seu decreto oficial, outros já estão usando o termo Oceano Antártico. “Os oceanógrafos provavelmente ficarão felizes que (o Oceano Antártico) estará nos mapas Nat Geo”, disse a editora de clima da CNN, Angela Fritz. Ela acrescenta: “Não consigo pensar em nenhum cientista da Terra que discorde (com a designação).”

    Como se forma um oceano
    Quando se trata de entender os oceanos, você precisa começar com o básico, diz Tait. “Existe um oceano mundial e está tudo interconectado”, observa ele. “Estamos realmente falando sobre regiões oceânicas e tradicionalmente existem quatro: Atlântico, Pacífico, Índico e Ártico. Mas por muitos, muitos anos, cientistas e outros têm usado o termo Oceano Antártico para descrever a região física do oceano em torno da Antártica. ”

    Então, o que torna o Oceano Antártico diferente? Tait explica: “Você vai de águas mais quentes nos oceanos Atlântico, Pacífico e Índico a águas muito frias ao redor da Antártica. E então a salinidade diminui. Há uma fauna distinta lá, então baleias Minke, certas espécies de focas, pinguins, peixes e pássaros são abundante no Oceano Antártico com base nesses fatores ambientais. ”

    Parte da motivação por trás da decisão da National Geographic de nomear um quinto oceano, anunciada no Dia Mundial dos Oceanos (8 de junho), foi que dar um nome a um lugar também pode dar a ele status. A conversa sobre o oceano é um projeto enorme e é mais fácil aumentar a conscientização falando em Oceano Antártico do que falar nele usando “aquela área de água”.

    Embora muitos países e organizações em todo o mundo reconheçam o Oceano Antártico, nem todos estão na mesma página sobre onde ele está exatamente. A National Geographic oficialmente usa a latitude sul de 60 graus para traçar a fronteira da água. No entanto, a Austrália considera tudo ao sul de seu país o Oceano Antártico. Além disso, a mudança climática desempenha um papel na tentativa de determinar onde podem ser suas fronteiras.

    Cortesia National Geographic

    Indo até lá!
    O explorador e ambientalista francês Jean-Louis Etienne anunciou recentemente que havia inventado um laboratório flutuante projetado especificamente para estudar o Oceano Antártico. Sua criação, apelidada de Pod Polar, não tem motor e vai flutuar na água em baixa velocidade para “orbitar” a Antártica e coletar dados. Etienne pretende concluir e implantar o Pod Polar até 2024. Mas as águas do Oceano Antártico não estão vazias por enquanto.

    O projeto Southern Ocean Carbon and Climate Observations and Modeling (SOCCOM), executado pela Princeton University, enviou cerca de 200 flutuadores robóticos ao oceano, todos equipados com sensores que medem salinidade, níveis de oxigênio, clorofila e outros dados ambientais.

    Dito isso, será difícil para os viajantes adicionarem o Oceano Antártico às suas listas de desejos. Viajar por ali é difícil, mas não impossível – basicamente, você precisará embarcar em um navio para a Antártica. E certifique-se de embalar seus comprimidos anti-náuseas, porque a água é notoriamente agitada.

    (Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).

    Mais Recentes da CNN