por: Viagem e Gastronomia Viagem e Gastronomia

Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Itália proíbe entrada de grandes cruzeiros nos canais de Veneza

    Impedimento entra em vigor a partir de 1º de agosto e vai barrar navios com mais de 25 mil toneladas

    Ouvir notícia
    Foto: Getty Images

    Por Angelo Amante, Giuseppe Fonte e Gavin Jones, da Reuters

    A Itália proibiu na terça-feira (13) que grandes navios cruzem o canal turístico de Veneza. O objetivo é defender ecossistema e patrimônio do destino, colocando as demandas dos residentes e entidades culturais na frente das da indústria turística.

    O governo decidiu agir depois que a Organização das Nações Unidas para a Cultura, UNESCO, ameaçou colocar o país em uma “lista negra” por não proibir transatlânticos no Patrimônio Mundial, disseram fontes do gabinete.

    A proibição entra em vigor a partir de 1º de agosto, barrando navios com mais de 25 mil toneladas no Canal Giudecca, que passa pela Praça de São Marcos, o marco mais famoso da cidade. “Estou orgulhoso deste compromisso que foi honrado”, disse o ministro da Cultura, Dario Franceschini, em um tweet anunciando a aprovação do decreto pelo gabinete, confirmando o relatório anterior da Reuters.

    Leia mais
    8 museus e palácios incríveis em Veneza
    Trem-bala é inaugurado no Tibete a mais de 3 mil metros acima do nível do mar
    As melhores cidades do mundo para se viver em 2021

    A legislação, que provavelmente afetará os negócios de empresas de cruzeiros como a Carnival Cruises, prevê uma compensação para as empresas e trabalhadores envolvidos, disse um comunicado do Ministério da Cultura. Os cruzeiros carnavalescos não estavam disponíveis para comentar.

    Os residentes de Veneza e a comunidade internacional vêm pedindo aos governos há anos que proíbam os navios de grande porte de passar pelo canal, poluindo e ameaçando a estabilidade de seus edifícios e do frágil ecossistema. Tais preocupações vão de encontro aos interesses de autoridades portuárias e operadoras de turismo, que afirmam que a cidade precisa dos negócios oferecidos pela indústria de cruzeiros.

    O limite de 25.000 toneladas significa que apenas pequenas balsas de passageiros e navios de carga podem usar o Giudecca, excluindo todos os navios de cruzeiro que normalmente pesam, pelo menos, quatro vezes mais e podem chegar a mais de 200.000 toneladas.

    Francesco Galietti, diretor italiano da Associação Comercial internacional da indústria de cruzeiros CLIA, disse que o grupo deu as boas-vindas a uma rota alternativa para os navios de cruzeiro e chamou o último movimento do governo de “um grande passo”.

    Sem locais para atracar.
    No passado, Roma já aprovou inúmeras leis para limitar o acesso de navios a um dos pontos turísticos mais famosos do mundo, mas um ponto de atracação alternativo ainda não está pronto. Os residentes protestaram em junho, quando a MSC Orchestra, de 92.000 toneladas, navegou pelo canal a caminho da Croácia e da Grécia, atraindo a atenção da mídia internacional.

    Leia mais
    Conheça o brasileiro que deu a volta ao mundo em tempo recorde
    As cidades mais bonitas do mundo para andar de bicicleta
    74% dos turistas brasileiros preferem viajar a encontrar o verdadeiro amor, diz pesquisa

    Em abril, o governo do primeiro-ministro Mario Draghi aprovou um decreto para construir um terminal fora da lagoa, onde navios de passageiros com mais de 40.000 toneladas e de contêineres possam atracar. A licitação foi publicada em 29 de junho.

    Nesse ínterim, grandes barcos foram instruídos a atracar no porto industrial de Marghera, mas essa solução intermediária ainda não está pronta porque Marghera carece de um ponto de atracação adequado para navios.

    O decreto do governo nomeia um comissário especial para acelerar a operação da estação de ancoragem em Marghera. Alessandro Santi, que chefia a Federagenti, um lobby nacional de navegação, disse que o governo não está levando em consideração o setor com uma abordagem “lamentável e que cria ressentimento”.

    Ele acusou Roma de ouvir a UNESCO e os lobistas da cultura internacional, enquanto ignorava “cidadãos e empresários” locais. “Limitar a passagem de navios não resolverá as dificuldades de Veneza como cidade”, disse ele.

     

    Mais Recentes da CNN