por: Viagem e Gastronomia Viagem e Gastronomia

Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    As panquecas mais deliciosas do mundo

    Desde as tradicionais americanas e inglesas, até as irreverentes e recheadas coreanas e chinesas, confira as melhores panquecas de cada continente

    A tradicional panqueca americana
    A tradicional panqueca americana Adobe Stock

    Chris Dwyerda CNN

    Ouvir notícia

    O tradicional banquete cristão antes do início da Quaresma, na Quarta-feira de Cinzas, é celebrado como uma chance de comer bem antes dos 40 dias de sacrifícios que antecedem a Páscoa.

    Nos Estados Unidos, o dia que antecede o início da Quaresma, é historicamente conhecido – e  também uma ótima desculpa – para se comer panquecas – as tradicionais massas com manteiga, ovos e farinha, que precisam ser deixados de lado para a temporada de reflexão. Não à toa, esse é chamado de “Mardi Gras”, ou “Terça-feira Gorda”

    A tradição de comer panquecas é celebrada por cristãos de todas as denominações e remonta aos tempos anglo-saxões. É quando um “sino de panqueca” – sim, realmente – seria tocado para chamar os cristãos à confissão, onde seriam absolvidos de seus pecados, ou “confessados”, como costumavam dizer.

    Mas panquecas – em todos os diferentes formatos, feitas com todos os tipos de ingredientes – enfeitam mesas ao redor do mundo há milênios, em todas as culturas e credos.

    Embora encontrar uma definição definitiva de panqueca seja difícil, e sem dúvida controversa, aqui estão algumas das melhores panquecas do mundo.

    Socca ou Farinata, França e Itália

    Provenientes das regiões da Provence, na França, e da Ligúria, na Itália, onde são conhecidas como Farinata, essas panquecas são feitas simplesmente com farinha de grão de bico, água, azeite e temperos.

    Tradicionalmente cozidas em grandes panelas de cobre com óleo colocadas em fornos a lenha, essas guloseimas irresistíveis são uma ótima alternativa sem glúten à pizza. Socca também é uma comida de rua favorita em cidades como Nice, onde é servida em cones de papel e polvilhada com pimenta preta.

    Panquecas de proteína de cânhamo, Suíça

    Restrições e preferências alimentares viram inúmeras opções de panquecas, mas poucas podem rivalizar com a deliciosa criatividade das panquecas de proteína de cânhamo do chef com estrela Michelin Sven Wassmer, do Verve by Sven, no Grand Resort Bad Ragaz, na Suíça.

    A Suíça é conhecida por seus cafés da manhã saudáveis, e as panquecas sem glúten de Wassmer com proteína de cânhamo em vez de farinha, com coberturas que incluem bananas, amêndoas, xarope de bordo – e talvez apenas um toque de chantilly – certamente se encaixam na conta.

    Panquecas fofas, Japão

    O nome japonês para este deleite popular os denuncia. “Hottokeki” — sim, bolo quente. Essas belezas super fofas e extra altas conquistaram o Instagram graças à sua estrutura e textura em forma de suflê, criadas usando claras de ovos em um merengue que é adicionado à massa.

    Cubra-as com qualquer coisa, de frutas vermelhas a creme fresco, de xarope de bordo a bacon. Só não se esqueça de postar uma foto antes de comer.

    Panquecas de cebolinha, China

    Ao contrário da maioria das panquecas, esses triângulos perfumados e crocantes são feitos de massa mais consistente, trazendo uma textura crocante, em lascas e mastigável.

    Fácil o suficiente de fazer em casa, algumas pessoas gostam de molhá-las em molhos com soja ou pimenta. Mas elas são ótimos naturalmente – quentes da panela ou wok, em lascas com toque sutil da cebolinha. As variações regionais incluem as de Xangai, que também incluem gordura de porco.

    Crepes, França

    Os crepes franceses seriam difíceis de serem superados no Hall da Fama das Panquecas – caso não haja um, deveria haver. Essas panquecas ultrafinas se originaram na Bretanha, no noroeste da França, no século 13, mas desde então se tornaram amadas em todo o mundo.

    Eles podem ser doces, com recheios como conservas de frutas, xaropes ou chocolate, ou ainda salgados, como os famosos de presunto e queijo, derretidos perfeitamente.

    Vê-los sendo preparados é um verdadeiro teatro culinário, pois a massa é lentamente esparramada à consistência perfeita antes de ser habilmente dobrada.

    Panquecas de buttermilk, EUA

    Grossas e fofas, encharcadas de xarope de bordo e muitas vezes servidas com o contraste salgado do bacon crocante, poucas panquecas rivalizam uma pilha clássica de panquecas americanas.

    As receitas americanas de panquecas datam de 1796 e do “American Cookery”, de Amelia Simmons, mesmo que sua sugestão de “Slapjacks indianos”, feitos de fubá, tenha sido amplamente esquecida.

    Hoje, o uso de buttermilk nessa peça clássica leva a um miolo mais fino, maciez extra e um sabor sutil. Onde quer que sejam servidas, apenas certifique-se de empilhá-las uma sobre a outra.

    Latkes, Israel

    Um prato célebre da cozinha judaica Ashkenazi, os Latkes contém outro ingrediente incomum, a batata. Mas nem sempre foi assim, pois até a popularidade das batatas crescer na Europa Oriental, no século 19, a receita era toda de queijo.

    Hoje, batata ralada, cebola e ovos se combinam para fazer bolinhos gloriosamente crocantes, cobertos com creme sour, molho de maçã, salmão defumado e muito mais.

    Masala Dosa, Índia

    A batata também aparece nesta fantástica versão indiana de uma panqueca que pode atingir um tamanho extraordinário. Um deleite de café da manhã popular no sul da Índia, mas comido ao longo do dia em outros lugares, a massa é feita de arroz fermentado e lentilhas, enquanto o recheio perfumado apresenta batatas com sementes de mostarda, coco, açafrão e coentro.

    Elas são servidas com chutneys, que variam em todo o país, como coco, tomate, coentro ou amendoim, tornando-se uma excelente refeição comunitária.

    Panquecas de açúcar e limão, Inglaterra

    Panquecas tradicionais na Inglaterra provavelmente fariam um americano estremecer. Pequenas e finas, elas são bem diferentes das pilhas cobertas de xarope de bordo tão queridas nos EUA.

    Mas não há dúvida de seus próprios encantos simples e elegantes – supondo que você tenha conseguido mantê-las na panela, depois de jogá-las para cima.

    Há realmente apenas uma maneira de tê-las na mesa na Terça-feira da Panqueca, como dizem os britânicos: com um pouco de suco de limão e polvilhada com açúcar granulado.

    Panquecas com pato à Pequim, China

    A segunda aparição da China aqui vem na forma das clássicas panquecas de farinha translúcidas finas, usadas para embrulhar o pato à Pequim cozido lentamente.

    Farinha simples, água e sal são os humildes ingredientes usados para fazer a massa, antes que as panquecas sejam cozidas suavemente em uma cesta à vapor.

    Em seguida, coloque o pato, adicione cebolinha ou molho de feijão doce. Na Woo Cheong Tea House, em Hong Kong, o açúcar mascavo de Okinawa é adicionado ao molho do pato, tornando-o ainda mais irresistível.

    Injera, Etiópia

    OK, tecnicamente é mais um pão achatado sem fermento, mas o amado injera etíope, uma criação esponjosa e levemente azeda feita de farinha de teff, também é classificada uma panqueca para nós. Aqui, a farinha é misturada com água e ersho, semelhante a um fermento natural, desencadeando a fermentação.

    Essa mistura é então despejada em uma panela ou em uma chapa circular tradicional chamada mitad, garantindo uma parte inferior lisa e uma parte superior porosa perfeita para colher e absorver molhos e outros sabores.

    Galettes, Bretanha, França

    Da região selvagem e bela da Bretanha, no noroeste da França, as galettes são uma versão de panquecas que deixam os moradores extremamente orgulhosos.

    Essas iguarias são feitas com farinha de trigo sarraceno saudável, dobrada em bordas quadradas para envolver recheios salgados não tão saudáveis, como presunto, ovos, bacon ou queijo.

    As galettes são ótimas quando combinadas com um copo de cidra de maçã – mas não se esqueça que na França, contém álcool.

    Dutch Baby (Bebê Holandesa), EUA

    Particularmente populares no estado de Washington, essas panquecas com nomes incomuns também são conhecidas como Bismarck ou popover – enquanto os britânicos seriam perdoados por chamá-las de Yorkshire pudding.

    Mas não há confusão sobre o método de cozimento – elas são assadas em panelas de metal no forno. Nos EUA, as panquecas inchadas geralmente são cobertas com manteiga, açúcar e um pouco de limão ou xarope.

    Cholermus, Suíça

    O Cantão de Obwalden fica bem no coração da Suíça e é o lar dessas panquecas incomuns que são desfiadas antes de serem servidas, geralmente no jantar.

    O cholermus é cozido na manteiga e, quando está quase pronto, as guloseimas são cortadas e fritas até ficarem perfeitamente douradas. Sirva com açúcar, uma pitada de canela e molho de maçã.

    Pikelets, Austrália

    Essas panquecas pequenas e fofas são tão orgulhosamente australianas quanto a pasta Vegemite. No entanto, elas não devem ser confundidas com um prato britânico de mesmo nome.

    O fermento em pó é adicionado à massa para fazê-las crescer. Uma vez douradas, elas são empilhadas e tradicionalmente cobertos com creme, açúcar e morangos frescos – ou geleia de morango.

    Panquecas Kimchi, Coreia

    Uma das panquecas salgadas mais deliciosas do mundo vem da Coreia, e sua combinação de ingredientes quentes, picantes e crocantes fará você querer mais.

    Kimchi é o amado acompanhamento tradicional coreano de vegetais fermentados, adicionados à farinha, ovos e muito mais para fazer uma massa. Depois de fritos, sabores únicos se combinam em uma panqueca crocante, perfeita para mergulhar em molhos – ou comer exatamente como vem.

    Cachapas, Venezuela

    Finalmente a Venezuela e suas fabulosas panquecas de milho finas e com queijo, conhecidas como cachapas. A utilização de milho fresco ou congelado confere à massa uma doçura definida, enquanto o queijo fresco e a manteiga proporcionam recheios irresistíveis.

    A chave, como acontece com quase toda nossa seleção global de panquecas, está na maneira como são cozidas. Frite-as até ficarem douradas e crocantes antes de deixar o queijo derreter no meio.

    *Esta matéria foi traduzida. Leia a versão original neste link.

    Mais Recentes da CNN