por: Viagem e Gastronomia Viagem e Gastronomia

Para onde viajar em 2022: CNN Internacional entrega os melhores destinos

Com a ajuda de experts, CNN lista destinos históricos, inovadores e ecológicos que agradam os diferentes critérios dos apaixonados por viagens

Antigua, no Caribe, promete ser um dos destinos mais procurados em 2022
Antigua, no Caribe, promete ser um dos destinos mais procurados em 2022 Getty Images

Lilit Marcusda CNN*

Ouvir notícia

Viajar está mais desafiador agora do que já foi antes. Fronteiras reabrem provisoriamente para se fecharem novamente. Um visto de entrada, que antes era simples, foi substituído por pilhas de burocracia e papelada. E o mundo inteiro revisa o alfabeto grego sempre que uma nova variante chega às manchetes das notícias.

Ainda assim, em meio a toda a escuridão que definiu a pandemia, há alguns vislumbres de esperança.

Talvez, a lição que os viajantes possam aprender em 2022 seja que explorar o mundo é um privilégio, não um direito. A safra deste ano dos lugares dos sonhos para visitar reflete essa mentalidade – de parques nacionais a ilhas remotas e locais menos visitados, a atenção plena e o respeito pela Terra fazem parte da jornada.

Quando Orville e Wilbur Wright levantaram seu pequeno avião pela primeira vez em 1903, parece improvável que eles imaginassem um mundo de dezenas de aviões a jato conectando as grandes cidades do mundo, tampouco o reconhecimento de retina substituindo um passaporte de papel.

Quando olhamos para trás e vemos o quão longe chegamos, ficamos mais gratos por onde estamos.

Vamos todos tentar canalizar um sentimento de admiração se e quando seremos capazes de viajar em 2022 e além disso.

Antígua e Barbuda

A nação das ilhas gêmeas não é apenas abençoada com quilômetros e quilômetros de areias branca e rosa imaculadas – Antígua é famosa por ter uma praia para todos os dias do ano – ela também reivindica ter a festa de domingo mais longa do Caribe, que acontece no mirante militar restaurado Shirley Heights.

Barbuda, a menor das duas ilhas, era notoriamente um dos locais de férias favoritos da princesa Diana, enquanto o veterano ator Robert De Niro é coproprietário de um resort na área junto com o bilionário australiano James Packer.

O críquete é um grande negócio aqui, então os England Tests (jogos que duram dias), que serão realizados em Antígua em 2022, são um dos eventos mais esperados do ano. A partida-teste oficial entre a Inglaterra e as Índias Ocidentais acontecerá em março no estádio com o nome da lenda do críquete da Antígua, Vivian Richards.

Antígua e Barbuda vem ganhando reconhecimento por seus esforços de sustentabilidade nos últimos anos, graças a uma série de iniciativas ecológicas de sucesso. Plásticos descartáveis são proibidos, enquanto o “Corredor Verde”, um conjunto de hotéis, resorts e empresas ecologicamente corretos, foi estabelecido na costa sudoeste de Antígua.

Arquipélago de Bijagós, Guiné-Bissau

Composto por 88 ilhas, das quais apenas 23 são habitadas, este arquipélago mágico situado a cerca de 48 quilômetros da costa da Guiné, na África Ocidental, é único.

O Arquipélago de Bijagós é administrado por uma sociedade matriarcal, onde as mulheres possuem todo o poder. Aqui as mulheres escolhem seus maridos, propõem casamento, constroem suas próprias casas e administram as famílias.

Os poucos turistas que podem visitar a Reserva de Biosfera da Unesco são recompensados com praias imaculadas, extensos parques naturais e calmas águas azuis.

O aglomerado de ilhas, que pode ser acessado por barco, balsa ou aeronave leve, também possui uma abundância extraordinária de vida selvagem, incluindo espécies protegidas ou raras como o crocodilo do Nilo, o golfinho-nariz-de-garrafa comum e o peixe-boi africano, bem como cerca de 500 espécies de pássaros.

A Hurtigruten Expeditions, a empresa que fundou o cruzeiro de expedição em 1896, acrescentou sua primeira aventura africana à programação de 2022/23, com o Arquipélago de Bijagós na lista de destinos do roteiro.

Ilha do Cabo Bretão, Nova Escócia

Getty Images

Conectada ao continente canadense por uma calçada de um quilômetro de extensão, a Ilha do Cabo Bretão, na Nova Escócia, é famosa por suas vistas panorâmicas e locais históricos.

Espalhado por 10.311 quilômetros quadrados, ela também não é um ponto minúsculo no oceano.

Os destaques da ilha incluem Cabot Trail, um atalho panorâmico de duas pistas que serpenteia pelo Cape Breton Highlands National Park (parque nacional da ilha), onde colinas verdes exuberantes e penhascos acobreados se erguem sobre praias acidentadas; a impressionante Fortaleza de Louisbourg, do século 18, que já foi a capital de uma colônia francesa e hoje é um museu de história viva; e ofertas culinárias, de jantares finos modernos a jantares tradicionais de lagosta da comunidade.

Por que ir agora? Nos últimos anos, o Canadá deu passos importantes para desenvolver e promover o turismo indígena e a Ilha do Cabo Bretão não é exceção. Os visitantes podem mergulhar nas tradições dos Mi’kmaq da ilha – um povo das Primeiras Nações que viveu na região marítima oriental do Canadá por mais de 10 mil anos – por meio de uma variedade de ofertas das cinco comunidades das Primeiras Nações da ilha.

Chile

Getty Images

Uma longa e estreita faixa entre o Oceano Pacífico e a Cordilheira dos Andes, o Chile é líder mundial em ecoturismo e um paraíso ao ar livre para os aventureiros.

No norte do Chile, o Atacama é um lugar para visitar. O Valle de la Luna apresenta paisagens de outro mundo, formações rochosas e pores do sol surreais e coloridos. Por falar em cores, veja flamingos rosas-choque na Lagoa Chaxa. Ambos estão localizados na Reserva Nacional Los Flamencos.

Quer algo ainda mais selvagem? Então siga mais para o sul, para a região selvagem da Patagônia. O Parque Nacional Torres del Paine é considerado uma das joias da coroa do sistema de parques do Chile. Suas geleiras, cachoeiras e vida selvagem são famosas.

A Organização Mundial do Turismo das Nações Unidas nomeou dois lugares chilenos em sua lista do prêmio “Best Tourism Villages” em 2021, que promove o desenvolvimento sustentável. São eles Pica, conhecida por suas frutas cítricas e fontes termais, e Puerto Williams, a cidade mais austral do mundo.

O ano de 2022 marcará 300 anos desde a chegada dos holandeses à ilha de Rapa Nui, no Pacífico Sul (também conhecida como Ilha de Páscoa). Famosa por suas faces gigantes de pedra, este território especial do Chile foi fechado para visitantes durante a pandemia. Mas está programado para reabrir aos turistas em fevereiro.

Colombo

Colombo geralmente é mal compreendida desde o início.

Apesar de ser a maior cidade do Sri Lanka, não é a capital (seria Sri Jayewardenepura Kotte), e muitos viajantes acabam deixando de visitar, favorecendo as lindas praias da ilha e fazendas de chá.

Mas em 2022 chegou a hora de prestar atenção aos destinos de design subestimados da cidade, incluindo a casa do falecido arquiteto Geoffrey Bawa, que agora é um mini-museu e hospedaria chamada Number Eleven. O ano está trazendo uma série de novos hotéis promissores para a cidade, incluindo propriedades da Amari, Grand Hyatt, Marriott, Sheraton e ITC.

O Sri Lanka tem sua porção de deliciosos curries, mas não presuma que a comida é a mesma da vizinha Índia.

Comece o dia se enchendo de ovos com sambal de coco no exuberante banquete de café da manhã do Palmyrah, vá para o Pettah Floating Market para estocar bananas em quase todas as cores do arco-íris e termine o dia assistindo ao pôr do sol na praia em Galle Face Hotel, apreciando uma versão com infusão de toranja em um Negroni no Bar Traveller’s, apropriadamente nomeado. Tudo fica mais saboroso com os próprios chás de Ceilão da ilha.

A empresa de turismo Urban Adventures fornece o contexto histórico necessário nas culturas cingalesa, tâmil e malaia do país, juntamente com os restaurantes.

Dijon, França

Getty Images

Pensou que Lyon era a capital da culinária francesa? Não tão rápido – Dijon sempre foi um grande centro gastronômico. A maior cidade da região de Borgonha-Franche-Comté é uma gloriosa mistura de casas com estrutura de madeira, magníficos palácios do século 18 e uma imponente catedral gótica – mas também é uma das capitais gastronômicas da França.

Apropriadamente, maio de 2022 verá a abertura da Cité Internationale de la Gastronomie et du Vin, em Dijon – uma renovação de 70 mil metros quadrados de edifícios históricos dos séculos 16 ao 18, transformada em um complexo inteiramente dedicado à comida e ao vinho franceses.

Nova atração à parte, há muitos outros motivos para colocar Dijon em sua lista. Aventure-se nos vinhedos da região da Borgonha – Beaune, meia hora ao sul, é uma cidade vinícola de primeira linha. Visite o mercado de alimentos Les Halles, projetado por Gustave Eiffel (sim, o mesmo da torre) para provar os melhores ingredientes da região. Faça uma degustação de mostarda no La Moutarderie Edmond Fallot, que está forte depois de 180 anos, e experimente o pão de gengibre de Mulot et Petitjean, feito aqui desde o século 18.

Comidas e bebidas à parte, há o impressionante Musée des Beaux-Arts de Dijon, onde mais de 130 mil obras de arte estão armazenadas no palácio neoclássico dos Duques de Borgonha.

Baía de Disko, Groenlândia

Getty Images

Baleias, icebergs colossais, uma geleira que se move veloz e muitos trenós puxados por cães definem a Baía de Disko, na costa oeste da Groenlândia.

A cidade de Ilulissat, com suas casas coloridas, é uma ótima base para explorar, até porque é vizinha de Ilulissat Icefjord. Este dramático fiorde foi declarado Patrimônio Mundial da Unesco, em parte por causa de seu esplendor de cair o queixo e em parte por causa dos estudos científicos realizados aqui nos últimos 250 anos, que ajudaram os cientistas a compreender o impacto das mudanças climáticas.

Os enormes icebergs que povoam Ilulissat Icefjord provêm da geleira Sermeq Kujalleq – passeios de barco locais disponíveis na Baía de Disko oferecem uma chance de se maravilhar com as cenas congelantes e encorajam os viajantes a considerar por que essa região às vezes é chamada de “Marco Zero” das mudanças climáticas.

Outra viagem de barco o levará à Ilha de Disko, com suas impressionantes praias de areia preta, enquanto de volta ao continente, há o recém-inaugurado Ilulissat Icefjord Centre para explorar.

Esta nova atração visa educar os visitantes sobre a importância do gelo na área da Baía de Disko, bem como defender as histórias do povo Inuit – que viveu da terra e do mar na região por milhares de anos – e examinar o impacto crescente da crise climática. O edifício é uma atração em si, projetado pelo arquiteto dinamarquês Dorte Mandrup como uma profusão de vidro, aço e curvas que se misturam à paisagem impressionante.

À medida que o turismo cresce na Groenlândia, há vários projetos de aeroportos em andamento – incluindo um novo hub aéreo em Ilulissat. O objetivo é tornar mais fácil para os viajantes internacionais explorar o belo país nos próximos anos, ao mesmo tempo que dispersa os visitantes pelo país para evitar o turismo excessivo.

Parques Nacionais do Gabão

Getty Images

A Amazônia ganha mais atenção da imprensa, mas a Bacia do Congo – às vezes chamada de “pulmão da África” – é a segunda maior floresta tropical do mundo e também um recurso precioso ameaçado pelo desmatamento. Mais de 10% do Gabão, na costa atlântica da África Central, é dedicado aos seus 13 parques nacionais – e todos estão comemorando 20 anos em 2022.

Acessível apenas pela ferrovia Trans-Gabão ou avião particular, Ivindo – o mais novo Patrimônio Mundial da Unesco neste país equatorial – compreende quase 300 mil hectares de parque atravessado por rios de águas negras, com corredeiras impressionantes e cachoeiras gloriosas. Como é isolado, significa que partes do local ainda precisam ser exploradas, mas as criaturas que chamam o local de casa incluem gorilas, leopardos, mandris e pangolins, e também o elefante da floresta, que está criticamente ameaçado de extinção.

O Parque Nacional do Loango oferece pesca desportiva no estuário e no mar, enquanto Minkébé, com 7 mil metros quadrados, é o maior do país. O Parque Nacional de Pongara tem belas praias intocadas, onde tartarugas-gigantes desovam entre novembro e março, enquanto golfinhos e baleias-jubarte podem ser avistados na estação seca, entre julho e outubro.

Jordânia

Getty Images

Há alguns anos, a espetacular cidade rochosa de Petra, na Jordânia, corria o risco de se tornar vítima de seu próprio sucesso, pois a indústria do turismo ameaçava suas estruturas delicadas e deixava os beduínos locais longe de seus costumes tradicionais. Anos de agitação regional seguidos pela pandemia significam que Petra está clamando por multidões.

Os visitantes certamente voltarão a esta joia, mas há oportunidades para explorar a Jordânia de forma mais sustentável. Outros tesouros arqueológicos, como as ruínas de Jerash e Umm Qais, merecem ser vistos.

Há também a vasta extensão do deserto de Wadi Rum, melhor apreciada com guias beduínos que podem compartilhar seus conhecimentos de como trabalhar em harmonia com a paisagem épica. Uma viagem paralela para uma flutuação salgada no Mar Morto também vale a pena, não menos importante para observar outro delicado ecossistema sob ataque da vida moderna, desta vez a extração desenfreada de água.

Lahti, Finlândia

A Finlândia é regularmente classificada como o lugar mais feliz do mundo, e há muito o que se alegrar quando se trata da bela cidade à beira do lago de Lahti.

Situado 100 quilômetros a nordeste de Helsinque, este destino é ecológico em todos os sentidos. A oitava maior cidade da Finlândia é repleta de belas florestas, parques e reservas com incríveis trilhas para caminhadas e mirantes.

Lahti também liderou em termos de inovações ambientais, tornando-se a primeira cidade finlandesa a ser nomeada Capital Verde da Europa, depois de abandonar o carvão como fonte de combustível e oferecer aos seus cidadãos passagens gratuitas e comida como recompensa por serem ecologicamente corretos.

Quem a visita certamente deve experimentar a água da torneira. O inovador sistema de água subterrânea da cidade foi certificado pela Unesco como “a melhor água potável do mundo” e é usado pela premiada Teerenpeli Brewery & Distillery, com sede em Lahti, a destilaria de uísque mais antiga da Finlândia.

Na primavera de 2022, o novíssimo Museu de Artes Visuais de Lahti, o Malva, lançará suas primeiras exposições, enquanto Lahti sediará o Campeonato Mundial Ironman 70.3 pela primeira vez em 2023.

Deserto de Munga-Thirri-Simpson, Austrália

Para aqueles que sempre quiseram experimentar um desafio off-road único no Outback da Austrália, o mais novo – e agora também o maior – parque nacional o aguarda.

Aclamado como um grande corredor de conservação no coração da nação, o Parque Nacional do Deserto Munga-Thirri-Simpson, no estado da Austrália Meridional, cobre 36 mil quilômetros quadrados e inclui partes do famoso Deserto Simpson, que se estende até o estado de Queensland e o Território do Norte. Ele foi declarado parque nacional em novembro de 2021 e combina uma reserva regional existente e um parque de conservação.

Aqui está a parte desafiadora: a única maneira de explorar o Parque Nacional do Deserto Munga-Thirri-Simpson é com um veículo com tração nas quatro rodas, necessário para acessar sua extensa rede de lagos de playa, dunas vermelhas deslumbrantes e pastagens repletas de pássaros. As noites são passadas acampando sob as estrelas.

Os motoristas precisam carregar reservas de combustível, água e comida, bem como peças sobressalentes básicas do veículo e equipamentos de recuperação, enquanto um Desert Parks Pass é necessário para entrar e acampar no parque. Em outras palavras, a autossuficiência é fundamental. Outra observação importante a se ter em mente ao planejar a viagem: o parque nacional fecha de 1º de dezembro a 15 de março, quando as temperaturas sobem.

Os viajantes desencorajados pelos desafios logísticos podem reservar um dos vários passeios no Deserto Simpson que partem da capital da Austrália Meridional, Adelaide. Por exemplo, as viagens organizadas pela Spirit Safaris também incluem paradas em uma variedade de destaques regionais, de pubs históricos a ruínas ferroviárias restauradas.

Nápoles, Itália

Pixabay/Divulgação

Corte Nápoles e ela sangrará Itália clássica. A pizza nasceu aqui; Sophia Loren foi criada em suas ruas de paralelepípedos. Ruínas antigas encontram-se sob subúrbios modernos. Scooters ziguezagueiam por palácios de glória desbotada, construídos quando a cidade do sul era seu próprio estado soberano. Os gestos com as mãos são uma forma de arte aqui. E aquela lendária simpatia italiana? É aqui que é forjada.

Mas por que ir agora? Porque Nápoles está crescendo. O centro histórico está pulsando com energia. Hotéis atrevidos e não-convencionais estão abrindo – como o Atelier Inès, que é parte oficina de joias, parte pousada artística.

Áreas que antes eram consideradas proibidas para turistas estão finalmente sendo vistas sob uma luz diferente. O distrito de Sanità, antes desprezado, agora é o lugar para se estar – os visitantes estão migrando para suas redes de catacumbas antigas, e o artista da vizinhança Paolo La Motta está subitamente em exibição em meio a obras de Louise Bourgeois e Anish Kapoor no antigo palácio real de Capodimonte.

Há mais por vir: novos sítios arqueológicos devem ser inaugurados em 2022 que, embora em segredo por enquanto, lançarão uma nova luz sobre a Neápolis grega e romana, como era chamada na época. Fora da cidade, Pompeia está revelando ruínas recém-escavadas e novas ideias – como o Pompeii ArteBus, que leva os visitantes por vilas menos conhecidas nas proximidades, de graça. Ao largo da costa, a ilha de Procida será a Capital da Cultura da Itália em 2022. Mas, na verdade, este é o ano de Nápoles.

Ollantaytambo, Peru

Pixabay/Divulgação

Uma viagem a um dos pontos turísticos mais procurados do mundo deve ser muito mais do que o destino final. E é aí que entra Ollantaytambo.

Esta cidade bem preservada ao longo da rota para Machu Picchu no Vale Sagrado do Peru se orgulha de suas próprias ruínas incas impressionantes e foi recentemente nomeada uma das “Best Tourism Villages” das Nações Unidas. A iniciativa reconhece lugares que adotaram o turismo como meio de promover o desenvolvimento sustentável e salvaguardar as aldeias rurais “junto com suas paisagens, diversidade natural e cultural e seus valores e atividades locais”.

Há muito a salvaguardar aqui: uma fortaleza e templo inca que datam do século 15 que se tornou o local de uma rara derrota dos conquistadores espanhóis; uma cidade vibrante que também é um dos melhores exemplos sobreviventes do planejamento urbano inca; os armazéns incas de Pinkuylluna com vista para Ollantaytambo; e uma pedreira inca próxima que deu origem a maravilhas da engenharia.

Como Ollanta, como é frequentemente chamada, está em uma altitude mais baixa (2.792 metros ou 9.160 pés) do que o portão de desembarque internacional de Cusco (3.399 metros ou 11.152 pés), também é um lugar melhor para se aclimatar ao ar rarefeito dos Andes. Outros locais intrigantes no Vale Sagrado, incluindo as misteriosas ruínas circulares incas em Moray – considerada um projeto agrícola – e as minas de sal de Maras, ficam nas proximidades.

O turismo no Peru em 2020 caiu para apenas 20% das chegadas de 2019, mas esses números irão aumentar à medida que o mundo enfrenta Covid-19. 2022 pode ser o ano para planejar a viagem boa, longa e sinuosa de uma vida antes que o número de visitantes aumente novamente.

Ilhas Orkney, Reino Unido

Na ponta mais ao norte da Escócia, você encontrará as Ilhas Orkney, um arquipélago de tirar o fôlego com penhascos e rochedos pontilhados de aves marinhas, focas e sítios arqueológicos fascinantes.

Orkney é composta de cerca de 70 ilhas, das quais 20 estão desocupadas. A maior, Mainland, é o lar de um grupo de monumentos neolíticos protegidos pela Unesco que datam de 5 mil anos, incluindo a tumba de Maeshowe e o enigmático Círculo de Brodgar.

Outros destaques incluem observação de estrelas e observação de Aurora em North Ronaldsay, uma ilha recentemente designada como Dark Sky, e visita à colorida capela italiana na desabitada Lamb Holm, construída em cabanas de Nissen por prisioneiros de guerra italianos durante a Segunda Guerra Mundial.

Enquanto isso, a rota de peregrinação do Caminho de São Magnus, batizada em homenagem ao santo padroeiro de Orkney, oferece uma ótima introdução à beleza selvagem das ilhas, a rota sinuosa ao redor de penhascos acidentados, passando por brochs da Idade do Ferro e culminando na Catedral de São Magnus de Kirkwall.

Os viajantes podem pular entre o continente escocês e Orkney, e entre as ilhas individuais, em balsas ou via aérea – Orkney é o lar do voo comercial mais curto do mundo, conectando os 1,7 milhas entre as ilhas de Westray e Papa Westray em apenas dois minutos.

Também há esperança de que aeronaves movidas a eletricidade possam se tornar a principal fonte de transporte para as ilhas, já que no verão de 2021 a aeronave Cessna Skymaster de seis lugares da Ampaire passou por voos de teste no arquipélago. É um próximo passo natural para as ilhas Orkney, que são verdes em mais de um aspecto – o famoso arquipélago dos ventos hospeda mais de 500 turbinas eólicas geradoras de energia.

Oslo, Noruega

Pixabay/Divulgação

Os invernos noruegueses podem ser frios, mas as coisas estão esquentando em Oslo. Em 11 de junho, será inaugurado o novo Museu Nacional – arte tradicional e contemporânea, artesanato e design, tornando-o o maior museu de arte dos países nórdicos. As coleções de 5 mil objetos de três museus existentes anteriormente foram agrupadas sob um telhado totalmente moderno, logo atrás da orla marítima da cidade, com vistas do fiorde de Oslo interno de seu terraço na cobertura.

Isso vai se juntar ao novo Museu Munch, que foi inaugurado em outubro de 2021 sob sua nova marca, marca, simplesmente “MUNCH”. Além de dar mais espaço à obra do artista, com 11 espaços de exibição que abrigam obras que antes estavam armazenadas, há também áreas para exposições temporárias. Eles começaram com o show fenomenal de Tracey Emin, “The Loneliness of the Soul”, transferido da Royal Academy de Londres, no qual ela explora seu fascínio por Munch por toda a vida.

O prédio em si também é incrível. Projetado pelo Estudio Herreros, uma empresa de arquitetura de Madrid, é parte do projeto de regeneração de longo prazo da orla marítima de Oslo. Quer fugir da cidade? Em vez da água, tente ir para o interior. Três horas a oeste fica Rjukan, uma cidade envolvida por montanhas onde “espelhos de sol” nos picos refletem a luz para a cidade durante os meses de inverno escuros, e um funicular acessível da era da Guerra Fria puxa os turistas para o interior do Monte Gausta e depois para o seu pico.

Palau

Pixabay/DIvulgação

Em 2021, Palau teve uma das únicas “bolhas de viagens” bem-sucedidas do mundo com sua ilha do Pacífico, Taiwan. Uma das razões pelas quais Palau conseguiu realizar uma pequena reabertura ao turismo é que a sustentabilidade não é apenas uma prioridade – ela está embutida em tudo o que acontece neste paraíso precário de 153 milhas quadradas.

Todo visitante do país deve assinar o Palau Pledge, um compromisso de se comportar com responsabilidade durante a viagem e fazer a sua parte para cuidar do meio ambiente – que pode incluir tudo, desde não usar sacolas plásticas até embalar apenas protetores solares que atendam aos altos padrões do país. A promessa foi escrita por alunos de Palau – outro lembrete de que as decisões que tomamos afetam não apenas a nós, mas às gerações futuras.

O compromisso com a preservação do meio ambiente faz sentido quando você vê a diversidade de paisagens que Palau tem a oferecer.

O Lago das Águas-Vivas, que esteve fechado à visitação por vários anos para permitir que a população de águas-vivas retornasse a níveis aceitáveis, está novamente aberto.

O único Patrimônio Mundial da Unesco da ilha é um blockbuster: Rock Islands Southern Lagoon, uma extensão de mais de 400 ilhas que abrigam alguns dos corais mais raros do mundo, bem como uma variedade de pássaros, peixes e tubarões.

Penang, Malásia

A pandemia deixou muitos de nós ansiosos por viagens épicas com foco na culinária, e Penang está entre as melhores da Ásia.

Esta ilha malaia no Mar de Andaman oferece uma grande mistura de pratos tradicionais malaios, chineses e indianos. E há ainda a culinária Baba Nyonya – também conhecida como Peranakan – que incorpora ingredientes regionais e métodos de culinária chinesa e malaia.

Tudo isso pode ser encontrado em vendedores ambulantes e lojas em toda a capital de Penang, George Town, que está repleta de prédios históricos, de antigas mansões inglesas a lojas clássicas chinesas e mesquitas islâmicas.

Mas há muito mais do que apenas comida e arquitetura para sustentar o apetite por viagens nesta ilha de 295 milhas quadradas.

Em setembro de 2021, o popular Penang Hill foi designado Reserva de Biosfera da Unesco.

Lar do ponto mais alto de Penang, é repleto de excelentes trilhas para caminhadas que se estendem de seu pico até os adoráveis jardins botânicos, que foram criados em 1884 e servem como um repositório da flora e fauna de Penang Hill – incluindo mais de 200 espécies de orquídeas.

Os principais esforços de conservação são no The Habitat Penang Hill, um centro de descoberta de floresta tropical de classe mundial que oferece caminhadas com guia e passeios de tirolesa.

África do Sul

Todos nós tivemos um ano ruim. Puxa, todos nós tivemos dois anos ruins. No entanto, é difícil não sentir uma forte onda de empatia pela África do Sul.

Enquanto muitos destinos pelo menos se beneficiaram com as calmarias de Covid no verão para reviver o número de viajantes, a alta temporada de novembro a março na África do Sul significa que a maioria de seus possíveis visitantes ficaram presos em casa, lutando contra os picos de vírus de inverno.

Além disso tudo, em gratidão aos cientistas sul-africanos que rapidamente identificaram e alertaram sobre a variante Omicron, grande parte do resto do mundo cortou todos os contatos para viagens, desferindo forte um golpe forte para a já sitiada indústria de turismo do país.

Por essas razões, se for seguro visitar em 2022, a África do Sul merece estar perto do topo da lista de desejos de qualquer pessoa. Todas aquelas coisas que a tornam especial – de praias a safáris, vinho a observação de baleias, passeios em cidades a trilhas para caminhadas – tudo ainda está lá. E há muitas jóias inexploradas para experimentar, se houver agitação: a cidade litorânea de Gqeberha, as montanhas Drakensberg em KwaZulu-Natal, as trilhas panorâmicas de direção Panorama e Garden Route.

St Eustatius, Holanda

Parece impossível que haja uma ilha caribenha da qual você nunca ouviu falar, mas St. Eustatius é apenas isso – a menos que você seja holandês, já que a ilha é um município da Holanda.

A peça central de “Statia”, como é conhecida pelos habitantes locais, é Quill, um vulcão adormecido cujas encostas proporcionam excelentes caminhadas – bem como vistas panorâmicas deslumbrantes desta pérola de 13 quilômetros quadrados no mar.

Até agora, a maioria dos viajantes para St Eustatius eram mergulhadores ansiosos para explorar os naufrágios e recifes de coral, bem como chegar perto de barracudas e tubarões nas águas intocadas. Mas isso provavelmente mudará em 2022, com a inauguração de um novo hotel de luxo chamado Golden Rock – o apelido da ilha.

Além disso, é mais fácil do que nunca chegar aqui graças às novas rotas de balsas que conectam a ilha a Saba, St Maarten e St Kitts.

Tulsa, Oklahoma, Estados Unidos

A grande notícia de viagem em Tulsa, Oklahoma em 2022 será a inauguração do Bob Dylan Center, agendada para 10 de maio.

O centro abrigará mais de 100 mil tesouros culturais criados e pertencentes a Dylan ao longo de sete décadas. Cobrindo sua carreira no folk e no rock, as exibições mostrarão manuscritos originais, gravações inéditas e performances de filmes, fotos e muito mais. Está sendo construído no Distrito das Artes de Tulsa, perto de outro centro dedicado ao herói de Dylan e músico folk, Woody Guthrie.

No ano passado foi o 100º aniversário do Massacre de Tulsa. Visite o Parque de Reconciliação John Hope Franklin, parte do National Park Service, e o recém-inaugurado Greenwood Rising para saber mais.

Ama o ar livre? Você estará no lugar certo. Tulsa está situada em um terreno suavemente ondulado na borda das Grandes Planícies a oeste e as Montanhas Ozark a leste. Dentro da cidade estão a Turkey Mountain Urban Wilderness Area, com trilhas acidentadas e declives acentuados para fornecer uma caminhada completa, e River Parks, com quilômetros de trilhas pavimentadas que seguem o rio Arkansas.

Valência, Espanha

Este ano, dê um descanso às ruas agitadas de Barcelona e siga algumas horas ao sul ao longo da costa sudeste da Espanha até a cidade portuária de Valência, a Capital Mundial do Design em 2022.

Com uma população de cerca de 800 mil habitantes, é a terceira maior cidade da Espanha e pretende ser um destino neutro em emissões até 2025.

A Cidade das Artes e das Ciências, projetada pelo arquiteto valenciano Santiago Calatrava, é um vasto complexo futurista com um planetário, um museu de ciências e o maior aquário da Europa. De lá, você pode pedalar ou passear por toda a Valência através do Jardim Turia de nove quilômetros, construído no antigo leito do rio Turia.

Valência é o berço da paella, e você encontrará o icônico prato espanhol à venda em todos os lugares. Para refeições requintadas, o restaurante homônimo do chef local Ricard Camarena foi premiado com duas estrelas Michelin, uma das quais é uma estrela verde para a sustentabilidade – o primeiro restaurante na cidade a receber a homenagem.

Finalmente, se você for visitar em março, terá a chance de experimentar o festival anual Las Fallas que é, quando a Covid permite, uma festa de rua de cinco dias envolvendo fogos de artifício e a queima de esculturas de madeira e papelão.

Parque Nacional de Yellowstone

Pixabay/Divulgação

Gêiseres, fontes termais, lamaçais e fumarolas. Ursos, lobos, bisões e alces. O primeiro parque nacional do mundo possui maravilhas e curiosidades suficientes para garantir muitas visitas repetidas.

E em 2022, Yellowstone marcará 150 anos como um parque nacional. Originalmente programado para ser um parque estadual, o Yellowstone ganhou seu status de parque nacional em 1872 porque a terra que abrangia fazia parte de três territórios, nenhum dos quais ainda era um estado. O parque de hoje – 96% em Wyoming, 3% em Montana e 1% em Idaho – abrange 2,2 milhões de acres.

Existe muito para se descobrir. Somente suas características hidrotérmicas somam cerca de 10 mil. O Grand Prismatic Spring em Midway Geyser Basin é atordoante, com anéis brilhantes de laranja, amarelo e verde circundando seu centro azul profundo e, claro, assistir a erupção de Old Faithful é uma tradição de Yellowstone.

Adicione encontros com animais selvagens formidáveis – mantenha distância, por favor – e você terá um incrível número de visitantes para agradar ao público. (Mais de um milhão de pessoas visitaram o parque em julho de 2021, o mês mais movimentado da história do parque.)

Chegar às principais atrações naturais no início da manhã ou no final da tarde e visitar na primavera e no outono pode significar encontrar menos pessoas.

O parque planeja comemorar os 150 anos de Yellowstone com uma série de atividades, concentradas de março a agosto, que destacam as conexões tribais da terra, examinam sucessos e desafios em seus ecossistemas e olham para o futuro. Uma ênfase na administração e na visitação responsável incentivará os visitantes a fazerem sua parte para ajudar a proteger o parque para as gerações futuras.

*Destinos escolhidos também por Forrest Brown, Julia Buckley, Karla Cripps, Tamara Hardingham-Gill, Marnie Hunter, Barry Neild, Maureen O’Hare e Francesca Street.

 

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN