por: Viagem e Gastronomia Viagem e Gastronomia

Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Especialistas estão prevendo um verão de caos nas viagens pela Europa e EUA

    Longas filas, cancelamentos e preço de aluguel de carros nas alturas são algumas das previsões para a temporada de verão no hemisfério norte. Está indo para lá? Veja como não ter dor de cabeça na sua viagem

    Na Alemanha, longas filas em Frankfurt neste feriado de Páscoa
    Na Alemanha, longas filas em Frankfurt neste feriado de Páscoa dpa/picture alliance via Getty I

    Julia Buckleyda CNN

    Ouvir notícia

    Está na hora de viajar. As restrições de viagem estão diminuindo, as taxas de infecção se estabilizando, e finalmente as pessoas estão se vacinando e podem pensar em sair de férias, tranquilamente.

    Este é o ano para compensar a viagem que não fizemos nos últimos dois anos.

    Mas enquanto a gente se prepara para entrar na fila do avião, o mesmo não pode ser dito para toda a indústria de viagens. Não apenas existem regras em constante mudança sobre testes, vacinas e quarentenas, que precisam ser observadas antes de viajar, mas uma vez que você tenha resolvido o seu lado, chegar ao seu destino parece estar repleto de dificuldades.

    No topo desse caos está o setor de aviação. A indústria foi, é claro, dizimada pela pandemia – mas muitas companhias aéreas e aeroportos atualmente parecem incapazes de lidar com o ressurgimento das viagens.

    Os países de ambos os lados do Atlântico estão observando uma série de voos cancelados devido à falta de tripulação nos aviões, à falta de funcionários nos aeroportos, causando longas filas, ou até mesmo um aumento grande no valor dos aluguéis de carro.

    Isso ocorre, em parte, porque todo mundo teve a mesma ideia – na última semana, nos Estados Unidos, o CEO da Delta Air Lines, Ed Bastian, anunciou que março de 2022 foi o melhor mês de vendas da companhia em sua história.

    Enfrentando uma demanda sem precedentes, a indústria muito reduzida está lutando para lidar com isso.

    Nos EUA, as viagens domésticas decolaram novamente. Enquanto isso, no Reino Unido, o caos nos principais aeroportos foi notícia todos os dias nas últimas duas semanas, e viu a companhia British Airways relatar ao regulador do setor uma possível violação da lei.

    A experiência de voo pode ser mais tranquila em outros lugares da Europa, mas o aluguel de carros não é. Uma versão mais econômica pode custar mais caro do que o hotel – e isso antes de você levar em consideração o aumento dos preços da gasolina. Viajar dentro dos EUA? Um “carmageddon” está batendo forte.

    Bem-vindo a um verão de caos? Esperemos que não – mas os números da indústria temem que seja.

    Um verão quente e confuso

    avião
    Na pandemia, companhias aéreas tiveram de demitir funcionários, e agora foram pegos desprevenidos/ Divulgação

    “Acho que é uma prévia do que está por vir – e as coisas vão piorar”, diz Christopher Elliott, do instituto de defesa do consumidor que monitora a situação nos EUA e na Europa.

    “O verão será um caos”, acredita Elliot – tanto que está aconselhando seus seguidores a evitar a Europa em agosto, o pico da alta temporada.

    Aquele caos aéreo? Para ele, está diretamente ligado às companhias aéreas.

    “Acho que estamos vendo alguns atrasos relacionados à pandemia, mas que não estão incluídos na equação neste momento – não é uma desculpa legítima agora”, diz ele.

    “Se dessem uma boa olhada no espelho, perceberiam que durante a pandemia reduziram e demitiram funcionários, e agora a demanda voltou e eles foram pegos desprevenidos. Não foram capazes de contratar pessoal rápido o suficiente para atender à demanda.”

    Elliott – o fundador da organização sem fins lucrativos Elliott Advocacy -, aliás, tem pouco tempo para essas “questões técnicas”.

    “As companhias aéreas nos EUA usam sistemas antiquados que precisam desesperadamente de atualização. Eles não atualizaram como deveriam. Quando quebram, levam a cancelamentos em massa”, diz ele.

    Na Europa, questões técnicas – que foram responsabilizadas por cancelamentos em massa nos EUA desde o ano passado – também atormentaram a British Airways, no Reino Unido.

    No dia 26 de fevereiro, uma “interrupção de sistemas” fez com que a companhia aérea cancelasse todos os voos de curta distância. Foi a segunda falha de TI em 10 dias, que já tinham ocorrido antes, em 2017 e 2018.

    Mas esse era o menor dos problemas na Inglaterra. Desde então, centenas de milhares de viajantes viram seus voos atrasados ​​ou cancelados, ou simplesmente os perderam graças ao caos que envolve alguns dos principais aeroportos do Reino Unido.

    Os aeroportos de Heathrow e Manchester raramente saem do noticiário desde o final de março, com graves faltas de funcionários criando filas de horas no check-in, segurança e controle de passaportes.

    E a falta de pessoal também significa que as pessoas estão esperando horas para que suas bagagens cheguem.

    (Aviação) anarquia no Reino Unido

    Fotos de grandes e pilhas de bagagem – muitas vezes abandonadas, depois que os clientes se cansam de esperar por horas – dominaram a imprensa britânica.

    E o caos só piora. O aeroporto de Stansted, hub da companhia aérea de baixo custo Ryanair fora de Londres, aconselhou nessa quinta-feira (14) os passageiros que viajam para as férias da Páscoa a deixarem suas bagagens 24 horas antes do voo.

    Ryanair pelo menos não está cancelando voos. As duas companhias aéreas que fazem isso no Reino Unido atualmente são a easyJet e a British Airways. Ambos sofrem com uma escassez de pessoal sem precedentes desde o final do mês, levando a dezenas de cancelamentos de voos todos os dias.

    Enrico Ferro, de Pádua, na Itália, voou para Londres com a British Airways para umas férias de quatro dias com sua esposa e filho no dia 30 de março. Na chegada, eles passaram três horas esperando a bagagem chegar a Heathrow.

    “Passamos o primeiro dia de nossas férias no aeroporto”, disse ele à CNN.

    As coisas pioraram no caminho de volta. O voo de volta para Veneza foi cancelado quando já estavam no portão. Eles acabaram em um voo para Bolonha, chegando à meia-noite. O pai de Ferro teve de ir buscar o carro no aeroporto de Veneza e dirigir duas horas para buscá-los e levá-los para casa ainda de madrugada.

    Ferro diz que os funcionários da British nunca o informaram se ele receberia uma compensação. Mas agora já se decidiu: “nunca” voará na companhia aérea novamente.

    “Escolhi a British em vez de empresas de baixo custo porque tinha certeza de que os serviços para os viajantes eram melhores”, diz ele. “Descobri que este não é mais o caso.”

    Em 14 de abril, a organização de consumidores britânica Which? escreveu à Autoridade de Aviação Civil, dizendo que tinha provas de clientes de que a British Airways não os estava informando sobre seus direitos em relação a cancelamentos e voos atrasados.

    Rory Boland, editor de Which?, disse em um comunicado: “Nossa investigação descobriu que a British Airways negligenciou os passageiros sobre seu direito à compensação e famílias perderam seu dinheiro ao não serem redirecionadas”.

    A British Airways não respondeu a um pedido de comentário da CNN, mas disse a Which? em uma declaração: “Sempre cumprimos nossas obrigações legais.”

    Boland disse à CNN que o caos atual no Reino Unido é, segundo ele, “pior do que em muitos outros países”.

    “Há um problema antigo que gira em torno do emprego de funcionários, e isso é difícil de superar – especialmente para empresas de viagens que pagam baixos salários.

    “Entrei em contato com alguns [trabalhadores da aviação] que foram demitidos durante a pandemia. Eles foram oferecidos para voltar com salários piores e em piores condições, e estão dizendo: ‘Eu realmente não quero… – Tenho um emprego melhor’. A menos que os aeroportos e as companhias aéreas aumentem o salário, levarão muito tempo para aumentar a equipe.”

    O Brexit é, obviamente, um tópico notoriamente que divide opiniões no Reino Unido. Muitos britânicos que se opuseram a ele atribuem os problemas atuais do país à saída do Reino Unido da UE.

    Mas quando se trata do caos atual do aeroporto, há uma ligação tangível, diz Kully Sandhu, diretor administrativo da Aviation Recruitment Network, que encontra funcionários para a indústria no Reino Unido.

    “Costumávamos receber de 50% a 60% de nossos pedidos de cidadãos da UE para nossas funções no aeroporto de Londres”, diz ele.

    “Não ter essa força de trabalho europeia não só causou problemas com o recrutamento, mas também significa que os aeroportos têm menos funcionários que falam um idioma europeu. Isso foi um grande benefício e não ter essa facilidade pode afetar o tempo que os passageiros levam por um aeroporto.”

    Sandhu também culpa as restrições de viagens que levaram os empregadores a usar funcionários “como e quando necessário” em vez de dar-lhes trabalho regular – levando a mais e mais saídas do setor.

    Em poucas palavras? “Os funcionários do aeroporto encontraram oportunidades mais estáveis ​​e lucrativas financeiramente e decidiram não voltar a trabalhar em um mercado tão volátil”, diz ele.

    Sandhu prevê que levará “até 12 meses” para que os níveis de pessoal dos aeroportos retornem aos níveis pré-pandemia na Inglaterra

    Enquanto isso, Lucy Moreton, secretária-geral do Immigration Services Union (ISU), disse à BBC que a Border Force – que verifica as pessoas que entram no Reino Unido – está “catastroficamente com falta de pessoal”. O governo atribuiu problemas ao aumento de viajantes durante a Páscoa.

    Com relatos de brigas físicas, passageiros desmaiando em filas e milhares de viajantes tendo seus voos cancelados todos os dias, muitos decidirão colocar no gelo aquela viagem pós-pandemia a Londres.

    Enquanto isso, na América

    “Nem todo mundo é tão pessimista. Precisamos manter a perspectiva”, diz Courtney Miller, diretora de análise da The Air Current.

    Para começar, diz ela, depois de dois meses de restrições “Podemos sair e voar”.

    Mas ela admite que, particularmente nos EUA, a experiência “é uma droga – é mais cara e mais forjada com a chance de ser adiada ou cancelada”.

    O problema é? “As coisas estão ótimas – ótimas demais – e estamos lutando para recuperar o atraso.”

    Miller diz que a recuperação repentina do mercado doméstico dos EUA no verão passado viu a demanda chegar a 70% dos níveis pré-pandemia – e as companhias aéreas simplesmente não tinham infraestrutura para responder.

    “Tivemos várias companhias aéreas passando por um colapso”, diz ela, acrescentando que mais de 5.000 pilotos deixaram (ou foram solicitados a sair) do setor em 2020, e os novos não estão chegando com rapidez suficiente.

    Embora a demanda tenha se estabilizado durante o surto de Ômicron, agora está de volta com força – em cerca de 90% dos níveis de 2019, diz Courtney – e as companhias aéreas simplesmente não conseguem acompanhar.

    “Estamos vendo cancelamentos em massa novamente e as companhias aéreas estão reduzindo os horários. As tarifas estão no teto e as pessoas gostam de falar sobre [o preço do] petróleo, mas não é por isso. O problema é que temos mais pessoas querendo voar do que assentos”, diz.

    Miller tem mais simpatia – ou, talvez, compreensão – pelas companhias aéreas do que a maioria. Precisamos perceber a magnitude do que eles passaram, diz: “98% do seu negócio se desintegrou”. Em comparação, a tão falada devastação causada na aviação pelo 11 de setembro? Reduziu a indústria em apenas 10%.

    Quando uma indústria está em crise, diz Courtney, um problema inesperado – como as tempestades – “realmente é sentido”.

    As companhias aéreas dos EUA estão agora reduzindo seus horários – em outras palavras, cancelando voos – em uma tentativa de melhorar o problema. É por isso que Miller recomenda reservar o mais rápido possível, para ter sorte e conseguir uma passagem, mesmo se houver cortes.

    “Se cancelarem meu voo, terão de me encontrar um novo voo; se eu esperar, o risco é meu”, diz. “Apenas reserve agora.”

    Não está nos EUA e está se sentindo orgulhoso? Más notícias: Courtney diz que os Estados Unidos estão cerca de um ano à frente de outras indústrias de viagens ocidentais.

    “Os mercados europeus ainda não passaram por essa escassez extrema, mas este verão será muito, muito revelador com o retorno dos passageiros”.

    Eu queria alugar o carro, não comprá-lo

    Viagem de carro
    Ano passado, os Estados Unidos passaram por um caos no aluguel de carros, chamado de “carmageddon” / Unsplash

    Os passageiros estão voltando, apesar do caos.

    “Acho que é endêmico ao espírito humano sair e ver coisas”, diz Zane Kerby, presidente da Sociedade Americana de Consultores de Viagem.

    E ele sabe disso: Kerby teve de ficar em quarentena por cinco dias no Caribe no ano passado, dividindo um quarto com seus filhos enquanto ouviam as pessoas se divertindo ao ar livre. No dia 31 de março, passou duas horas na fila para fazer o check-in de seu voo da British Airways em Heathrow.

    Ele acha que levará “meses, não semanas” para que tudo volte a funcionar como antes. No entanto, tudo o que ele quer fazer é pegar a estrada novamente.

    Para Kerby, o principal ponto de discórdia é a maneira não uniforme como as restrições de viagem estão sendo impostas e levantadas em todo o mundo – e, em particular, a exigência de testar antes de retornar aos EUA, que ele diz estar causando caos psicológico e afastando as pessoas das viagens.

    Para quem vencer essa barreira, ele diz que agora é a hora de reservar por meio de um consultor de viagens.

    “O cenário está mudando o tempo todo, as regras e os requisitos também. Você precisa de alguém não apenas cuidando de você, mas que possa antecipar as coisas que podem dar errado e ajudar a remarcar e encontrar acomodação se der errado – especialmente para viagens internacionais”, diz.

    Kerby avisa que reservar seu voo não é suficiente este ano e sinaliza a situação do aluguel de carros como outro ponto importante.

    “Pode ser pior do que no ano passado”, avisa. “Existem destinos populares nos EUA – Honolulu, LA, sul da Flórida – onde os preços atingiram níveis inacreditáveis.”

    No ano passado, ele queria alugar um carro em Havaí por uma semana e o valor sairia por US$ 3.200.

    “Eu não queria comprar o carro, apenas alugá-lo”, diz ele.

    Precisamos falar sobre aluguel de carros

    Finalmente, você chegou ao seu destino. Está com sorte, já que suas malas também chegaram. Mas não acabou: agora há o desafio de alugar um carro.

    O “carmageddon” de 2021 – preços altíssimos causados ​​por demanda intensa e carros insuficientes – não foi resolvido. A crise da cadeia de suprimentos ainda significa uma escassez global de carros novos sendo fabricados – o que significa que as locadoras estão lutando para preencher suas frotas.

    Além disso, ainda há nervosismo em torno da pandemia, diz Phil Partridge, dos corretores Rhino Car Hire.

    “Os agentes de aluguel de carros continuam hesitantes em reabastecer totalmente as frotas com medo de que outra variante cause estragos no setor de viagens”, diz ele.

    “Isso, juntamente com as limitações físicas de quantos carros eles podem adquirir para reabastecer as frotas… É essencialmente uma situação de oferta e demanda novamente, onde a demanda está superando a oferta, o que inevitavelmente eleva os preços”.

    Não costumava ser assim: a alta disponibilidade significava que os preços de aluguel de carros raramente tinham o mesmo aumento do que os voos. Mas considere isso o novo normal – pelo menos, por enquanto.

    Pode haver alguma esperança. Membros da equipe de uma grande locadora italiana disseram informalmente à CNN esta semana que os preços devem cair após a Páscoa antes de disparar novamente no final de junho, e Partridge concorda.

    “Fora das férias escolares, esperamos que os preços caiam, embora não para os níveis pré-pandemia”, diz ele.

    Então, como vencer o sistema? Partridge sugere procurar por “fora do aeroporto” – um local no centro ou na estação ferroviária pode ser significativamente mais barato, mesmo depois de deduzir o táxi que você pode pegar para chegar lá.

    Mais importante? Reserve seu carro o quanto antes. Partridge sugere reservar com 8 a 24 semanas de antecedência.

    “Pegue um carro na primeira oportunidade e verifique as tarifas periodicamente até o seu aluguel”, aconselha.

    “Você sempre pode cancelar e remarcar a uma tarifa mais baixa se os preços caírem, mas não pode voltar no tempo e reservar a tarifa que viu meses antes.”

    Reservar um carro elétrico também economizará dinheiro com combustível quando os custos estiverem altos – e verifique se há descontos para funcionários de outras empresas, as locadoras costumam fazer parcerias.

    “Temos infraestrutura, mas vai levar tempo”

    Quando você estiver enfrentando o caos das viagens, lembre-se de que as pessoas que enfrentam você provavelmente são mal pagas e estão trabalhando jornadas exaustivas.

    “Trabalhar em viagens geralmente significa trabalhar nos horários que todos estão se divertindo, especialmente em um aeroporto”, diz George Morgan-Grenville, fundador da operadora de turismo de luxo Red Savannah, que passou de uma pandemia “catastrófica” para o melhor ano que já teve.

    Para ele, assim como para Boland, a aviação precisa oferecer melhores condições. “Você tem que tornar as condições atraentes o suficiente para que as pessoas possam viver uma boa vida familiar, ganhar um salário decente e fazer o trabalho.”

    Mas ele, mais do que os outros, tem esperança de que as coisas se recuperem.

    “Todo mundo que não viajou na pandemia agora quer, passamos de zero para 60 em meses”, diz.

    Para qualquer negócio, lidar com esse aumento será um teste.

    “Nós tínhamos a capacidade – aeroportos e infraestrutura de classe mundial. Mas levará tempo, e os aeroportos precisarão tornar os empregos muito atraentes.”

    Ele também acha que podemos ficar surpresos à medida que o clima melhore e as infecções por Covid caiam. A diminuição das taxas não trará novos funcionários, é claro, mas ajudará a registrar os níveis de doença dos funcionários.

    Como lidar com o caos das viagens

    Antes de organizar as malas, confira dicas para evitar o caos na viagem para a Europa ou Estados Unidos / Pixabay

    Então, o que devemos fazer para evitar o caos?

    Reserve com antecedência, todos os nossos especialistas concordam. Mas há mais dicas:

    • Conheça seus direitos

    Nos EUA, se uma companhia aérea cancelar o voo, é obrigada a encontrar outra maneira de levá-lo ao seu destino – embora não haja limite de tempo para quando isso acontecer.

    Na UE e na Inglaterra (que copiaram e colaram a lei de viagens da UE após o Brexit), as companhias aéreas devem redirecionar os passageiros para seu destino final “na primeira oportunidade”. Isso significa que eles devem reservar em uma companhia aérea rival (ou trem ou outra forma de transporte) se eles não puderem acomodá-lo. Embora, se puderem levá-lo no mesmo dia, podem optar por essa opção – mesmo que seja um voo muito mais tarde.

    Se você ficar retido durante a noite, a companhia aérea deve pagar por um quarto de hotel, bem como refeições por atrasos. Você também pode solicitar o transporte terrestre, se for levado para um destino diferente.

    Se o seu voo foi cancelado com menos de duas semanas de antecedência, eles também devem pagar uma compensação entre € 250-600 (US$ 270-649), dependendo da distância do voo.

    Estas regras aplicam-se a quaisquer voos que partam ou entrem na UE ou no Reino Unido. Não cancele sua reserva, ou sua reclamação será inválida.

    • Reserve um carro através de um corretor

    Rory Boland, editor de Which?, diz que é “muito mais barato reservar através de um buscador”. Certifique-se de que inclui empresas pequenas e independentes de aluguel de carros, pois provavelmente serão o melhor valor este ano. Ele sugere Zest.

    • Escolha sua companhia aérea com sabedoria

    Miller diz que a maioria das companhias aéreas dos EUA está lutando no momento, mas quando se trata da Europa, como diz Boland, empresas como Ryanair, Wizz e Jet2 não estão cancelando voos. British Airways e easyJet sim.

    • Voe no meio da semana

    Enquanto o mercado de lazer dos EUA está pegando fogo, diz Miller, as viagens de negócios ainda não – embora estejam chegando lá. Isso significa que, no momento, as tarifas ainda estão mais baixas no meio da semana.

    Você também pode encontrar menos caos.

    • Reserve com um especialista

    Este é um momento em que não é uma ótima ideia procurar passagens pela internet e fazer tudo sozinho. Ter um terceiro cuidando da sua reserva alivia o estresse. Eles saberão quais são os regulamentos de entrada para o seu destino, quais hotéis estão disponíveis e, se seu voo for cancelado, poderão remarcar enquanto todos os outros ficam em uma fila de 200 metros no aeroporto

    “Reservar com um consultor de viagens permite que você relaxe e aproveite suas férias, em vez de se preocupar com os detalhes que podem tornar a vida miserável.”

    • Vá para um hotel, não um aluguel

    Boland diz que, embora os preços dos aluguéis privados tenham disparado, as tarifas dos hotéis estão se mantendo por enquanto – na verdade, em alguns lugares eles estão com taxas reduzidas, já que as pessoas estão preferindo alugar casas ou apartamentos.

    • Seja flexível

    Ainda existem pechinchas por aí, mas você precisa ser mais tranquilo para encará-las. Só quer um pouco de sol ou uma pausa na cidade? Será fácil. Por outro lado, se tem data e hora para chegar ao destino, reserve o mais rápido possível.

    • Escolha uma nação de turistas domésticos

    Morgan-Grenville avalia que uma das razões pelas quais a Inglaterra foi tão atingidoaé que é uma nação de viajantes inveterados.

    “Em um ano típico, você tem 18 milhões de britânicos viajando para a Espanha, 12 milhões para a França e quatro milhões para a Itália – muito mais do que os países europeus equivalentes que visitam os países uns dos outros ou o Reino Unido.”

    Isso significa que o fator de caos é alto. Você pode achar mais fácil escolher um país como a França ou a Itália, onde os habitantes locais ficam em grande parte no próprio país durante feriados.

    • Planejar com antecedência

    Morgan-Grenville diz que os hotéis redistribuíram funcionários para cobrir a escassez, então você pode encontrar o restaurante fechado ou fechando mais cedo. Isso vale para o mundo exterior também. O ano de 2022, como nenhum outro, é precisa planejar e reservar com antecedência.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN