por: Viagem e Gastronomia Viagem e Gastronomia

Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Um guia com os melhores vinhos da Serra da Mantiqueira para degustar

    Aliando tecnologia com obstinação, vinícolas do sudeste colocam vinhos finos brasileiros na rota mundial de qualidade

    Ouvir notícia
    Foto: Getty Images

    A região limítrofe entre o sul de Minas Gerais e São Paulo pode ser considerada como a nova fronteira produtora de alguns dos melhores vinhos do país. É aos pés da Serra da Mantiqueira que vinícolas se estabeleceram e elaboraram, junto da tecnologia e da obstinação, vinhos finos que têm colocado o Brasil na rota mundial da bebida. E é para lá que fui com o CNN Viagem e Gastronomia*.

    Tradicional zona cafeeira, a região possui altitudes elevadas e temperaturas amenas com clima agradável o ano todo, o que proporciona uma excelente mescla para o cultivo de uvas. Ali, elas encontram um solo fértil e clima propício para seu desenvolvimento. Tudo mudou também com a introdução da dupla poda – ou poda invertida: a técnica “engana” o parreiral, em que se inverte o ciclo natural da planta e colhe-se no inverno, driblando os períodos chuvosos.

    A tecnologia brasileira, fruto dos estudos do engenheiro agrônomo Murillo Regina junto da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG), facilitou a instalação de várias vinícolas pela região – e reavivou outras. Em minha imersão pela Mantiqueira, em que acompanhei todo o processo da produção de um vinho até ele chegar às nossas taças, degustei não somente um, mas vários dos melhores rótulos atuais do país.

    Leia mais
    Saiba tudo sobre a Serra da Mantiqueira
    Vinícola brasileira é premiada em competição na França
    Serra da Bocaina: caminhos e experiências que desembocam na vida caipira

    Junto de empresários, enólogos e até de Manoel Beato, um dos maiores sommeliers do Brasil, apreciei vinhos em sua maioria tintos e brancos, feitos predominantemente com as uvas syrah e sauvignon blanc – descobri que as duas se adaptaram de forma exemplar na Mantiqueira.

    Daniela Filomeno e Manoel Beato fazem degustação de vinhos produzidos na Serra da Mantiqueira (Foto: CNN Viagem & Gastronomia)

    A comparação é inevitável, mas o recado é claro: são vinhos que nada têm a perder aos estrangeiros. Possuem muita personalidade, intensidade e deixam um legado em cada retrogosto: a paixão pela bebida.

    Pois brindemos aos vinhos da Mantiqueira! E quer saber quais os melhores da região? A seguir, destaco brevemente a história de algumas vinícolas da serra e trago em detalhes os melhores rótulos degustados ao lado do Manoel Beato no nosso programa:

    Barbara Eliodora (São Gonçalo do Sapucaí/MG)

    É a 3h30 de São Paulo, na pequena São Gonçalo do Sapucaí (MG), que saem os ótimos vinhos finos da vinícola Bárbara Eliodora. Com a dupla poda, o método tem aberto novas oportunidades para vinícolas brasileiras dominarem a produção. Assim, as uvas da propriedade são colhidas no inverno, proporcionando sabores, aromas e sensações singulares. São três vinhos comercializados pela vinícola atualmente, todos secos: tinto e rosé, ambos da uva syrah; e branco, de sauvignon blanc.

    Degustando os vinhos dá para perceber que a localização privilegiada da vinícola, numa faixa de transição entre a Mata Atlântica e o Cerrado Mineiro, deixa as bebidas bem especiais, com excelência em sabor, harmonia e aroma.

    É o caso do Sauvingon Blanc 2019: é leve, com um aroma herbáceo e frutado. Um vinho que remete a maracujá e sabores cítricos, bem perfumado e expressivo. Vai muito bem com aperitivos e pude apreciar seus toques secos com boa acidez. Experimentei também o Syrah 2019, um vinho tinto de cor forte e aroma de frutas vermelhas, com leves toques de especiarias. É bem equilibrado, intenso e possui bom corpo, casando bem com queijos, massas de molho vermelho, pizzas e carnes.

    Curiosidade: o nome do local é uma homenagem a Bárbara Heliodora, inconfidente e poetisa mineira que se estabeleceu ali em São Gonçalo até 1819. Como uma ode à Bárbara, os vinhos são como poesia para o paladar, que carregam histórias e aromas do sul de Minas.

    Casa Verrone (Itobi/SP)

    A Casa Verrone completa cinco anos da primeira produção em 2021. Sua história começou em 2000 a partir do interesse por vinhos de Marcio Verrone, fundador da vinícola, que viajou pelo mundo em busca de mais conhecimento sobre a bebida. Assim, nove anos depois foram plantadas as primeiras videiras na atraente propriedade em Itobi. Após o sucesso inicial com a qualidade da produção, a área foi ampliada e, atualmente, soma cerca de 12 hectares plantados de videiras europeias.

    Os brancos e o Gran Speciale são as minhas duas linhas de vinhos prediletas da casa. Em minha imersão no enoturismo da Mantiqueira degustei o Sauvignon Blanc 2020 da casa, colheita de inverno que possui toques chamativos florais, como aroma de arruda. Por ser mais intenso, o bacana é apreciá-lo com frutos do mar. Já o Gran Speciale vale a pena pelo custo-benefício, sendo um tinto de coloração vermelho rubi intenso, com um perfume inigualável.

    A produção da Verrone é agraciada por uma amplitude térmica que promove o bom desenvolvimento das uvas: as máximas variam entre 25°C e 30°C durante o ano, e a média das mínimas cai para cerca de 10°C no inverno. O clima é amenizado pela localização geográfica do vale do Rio Pardo, entre as montanhas da Serra do Cervo – braço da Serra da Mantiqueira.

    Casa Geraldo (Andradas/MG)

    Degustação de vinhos produzidos na Serra da Mantiqueira (Foto: Daniela Filomeno)

    Quando o assunto é enoturismo no Brasil, não há como não falarmos da Casa Geraldo. A vinícola, que começou sua trajetória em 1969, é responsável hoje por cerca de 80% do volume de vinhos de Minas Gerais e consta como a maior vinícola da região e uma das maiores do estado.

    Tudo começou com a imigração italiana dos tataravós dos irmãos Marcon, quinta para a sexta geração de produtores que atualmente estão à frente da empreitada. Porém o negócio se intensificou somente com o avô, Geraldo Marcon – em que a vinícola ganhou seu nome. Ali, antes, as uvas eram predominantemente de mesa, o que mudou com a chegada  da poda invertida, em que a vinícola deu um passo em sua produção.

    Agora, os vinhos finos da colheita de inverno não somente agradam o público em geral mas também aqueles mais exigentes. Uma sala com mais de 100 barricas na propriedade em Andradas guarda os grandes vinhos de suas linhas. O Alma Sauvignon Blanc é um dos exemplos: é um vinho fino branco seco, de cor amarelo claro, que expressa requinte e leveza. De aroma que remete à frutas tropicais, é bem harmonizando muito bem com peixes e queijos mais ácidos.

    O Casa Geraldo Cabernet Sauvignon 2013 é igualmente marcante. De cor intensa e tonalidade vermelho rubi, seu aroma apresenta notas típicas, como cerejas e pimenta preta, além de aromas tostados como café e chocolate por conta do amadurecimento nos barris. Na boca, é um vinho persistente, o que o torna ainda mais especial.

    Maria Maria (Boa Esperança/MG)

    Já pensou em tomar uma taça de vinho por dia? Foi o que o médico de Eduardo Junqueira Junior, da quinta geração de uma família de cafeicultores de Minas, receitou após o profissional sofrer um ataque cardíaco em 2006. Junto dos conhecimentos de Murillo Regina, criador da dupla poda, ele concretizou a vontade de produzir a própria bebida e viabilizou o projeto na Fazenda Capetinga, em Boa Esperança (MG).

    Videiras de syrah foram plantadas por ali no final de 2009 e, hoje, a vinícola produz quatro tipos de vinho: tinto, branco, rosé e espumante, em que as principais uvas usadas são syrah, cabernet sauvignon, sauvignon blanc e chardonnay.

    O Maria Maria Donita Gran Reserva Syrah/Cabernet Sauvignon 2017 é um dos melhores vinhos brasileiros e entrou para minha lista de favoritos. É uma mescla deliciosa entre as uvas syrah e cabernet sauvignon que pude experimentar em minha viagem à Mantiqueira. Possui um teor alcoólico que passa dos 14%, exalando um aroma mais puxado para um licor de frutas. É um vinho de forte personalidade e de produção limitada – o primeiro da vinícola que passou por barricas de carvalho francês.

    O Maria Maria Fernanda Sauvignon Blanc 2020 é igualmente prazeroso. Aromático, nele, predominam notas herbáceas e de frutas que remetem ao maracujá, contendo toques cítricos e bem frescos. Bem apetitoso para dias mais quentes.

    Uma curiosidade: cada vinho da vinícola leva o nome de uma mulher ligada à família do fundador. O nome Maria Maria também é inspirado na música do talentosíssimo Milton Nascimento, que é natural de Três Pontas, município bem próximo à fazenda onde são plantadas as uvas.

    Guaspari (Espírito Santo do Pinhal/SP)

    A Guaspari é uma das mais renomadas vinícolas brasileiras, um grande projeto que foi se afeiçoando com o tempo em uma antiga fazenda de café em Espírito Santo do Pinhal. Enxergo a Guaspari como um verdadeiro laboratório, com testes de diferentes varietais, onde as uvas são tratadas com o máximo respeito e a produção de vinhos segue uma qualidade ímpar.

    A vinícola fica entre 1.000m e 1.300m de altitude, em que a insolação durante o dia e as noites fresquinhas garantem produtos similares às regiões europeias. A Guaspari investiu pesado em tecnologia e na técnica da poda invertida e vem colhendo resultados.

    Em minha passagem por ali pude saborear dois vinhos que estão na minha lista de favoritos do Brasil. Um deles é o Vista do Lago Chardonnay 2018: ele é equilibrado de uma qualidade ímpar, bem diferente dos outros chardonnays que já havia tomado. Toques de baunilha, de manteiga e um tostado muito leve complementam sua estrutura. É um vinho que ainda pode envelhecer muito e vai ficando melhor com o passar dos anos.

    O outro é o Vista da Serra Syrah 2018, intenso na cor e nos aromas, que revelam frutas vermelhas e um leve tostado. Sua boa acidez e equilíbrio são pontos altos, sendo agradável no paladar. Recomendo muito sua degustação! Igual ao Chardonnay, é um vinho que possui longa vida na garrafa.

    A sede da vinícola, inclusive, está muito bem preparada para receber visitantes: além da degustação local, pode-se conhecer os lindos vinhedos – que possuem vistas incríveis para a região da Mantiqueira – ao lado de técnicos e enólogos. Um piquenique agendado ainda coroa a experiência enogastronômica no local.

    Stella Valentino (Andradas/MG)

    A Stella Valentino carrega uma história centenária que atravessa gerações na região da Mantiqueira. Valentino Stella imigrou de Vêneto, na Itália, para estas terras, onde iniciou a plantação de uvas para fazer vinhos para consumo próprio. Assim, já são 111 anos de tradição na plantação de uvas e mais de cinco gerações familiares ligadas à fruta.

    Foi em 2002 que a família retomou a produção de vinhos finos, agora com auxílio também da técnica da poda invertida, que possibilitou um vinho com mais álcool natural e aliou o terroir da região. Ali, então, une-se a tradição com o novo, em que a uva tempranilla, comum na Espanha, alçou os voos da vinícola. Quem representa a Stella Valentino hoje é José Procópio, engenheiro agrônomo tetraneto de Valentino.

    Dois rótulos chamam atenção, o olfato e o paladar de quem os aprecia. Falo do Tempranillo Gran Reserva 2019, vinho de colheita inverno de intensa cor rubi e aromas de frutas negras que casam muito bem com a madeira de carvalho em que foi envelhecido por 12 meses.

    Meu outro destaque vai para o Sauvignon Blanc Safra 2020, que possui alta porcentagem alcoólica (14%) mas consegue ser ao mesmo tempo muito bem estruturado e límpido, sendo um ótimo vinho para o dia a dia e que harmoniza com aves, massas de molho branco e saladas.

    Terra Nossa (Santo Antônio do Jardim/SP)

    A região da Serra Mantiqueira oferece aos consumidores vinhos bem frutados, com bons corpos e de personalidade intensa. Ou seja, vinhos únicos no mundo. E assim são também os produzidos pela Terra Nossa na pequena Santo Antônio do Jardim, próxima a Espírito Santo do Pinhal.

    Nascido pelas mãos de cinco amigos-sócios amantes da bebida, entre eles o conceituado enólogo Cristian Pulveda e o paisagista Roberto Ferrari, o negócio começou com uma pequena produção de vinhos para a família e amigos e não possui pretensão de ser grande, mas sim de oferecer uma qualidade excepcional para clientes e também auxílio a outros projetos iniciantes.

    Por enquanto, a vinícola possui três produtos: um Syrah 100% e um Rosé de Syrah, ambos da linha Profano, que não passam por madeira; e um último produto premium, o Syrah Clássico, mais elaborado, que fica entre 12 e 14 meses em barricas de carvalho francês e outros dois anos engarrafado.

    Os três vinhos são de alta qualidade e possuem uma identidade irreprodutível em outros lugares. Ao lado de Cristian Pulveda, experimentei as bebidas e destaco aqui dois dos vinhos, que também já entraram na minha lista de prediletos. Um deles é o Clássico Rosé 2020: feito 100% de syrah, é um vinho bem leve e simples, mas cheio de alma. Ele é frutado e refrescante, com aroma de morango e até framboesa. É quase um vinho de piscina, ideal para os finais de tarde.

    O segundo que destaco da Terra Nossa é o Clássico Syrah 2018, tinto de uma intensidade sem igual. Dá para perceber o uso da fruta bem madura junto de especiarias: tem notas de pimenta preta e frutas negras, sendo, no mínimo, bastante instigante.

    Vinhos Primeira Estrada (Três Corações/MG)

    É o grande pioneiro no uso da técnica da poda invertida em sua produção. O rótulo é desenvolvido na cidade mineira de Três Corações pela Vinícola Estrada Real, que foi fundada em 2001 pelo próprio criador do método, Murillo Regina, e outros três sócios.

    “Paixão, seriedade e valorização do trabalho humano” são lemas seguidos à risca na elaboração dos vinhos de inverno da vinícola, produzidos entre 900 e 1.100 metros de altitude. Tal devoção pode ser apreciada quando abre-se um dos seus vinhos – que exalam equilíbrio e frescor.

    Destaco dois deles, que também saboreei em minha visita à Mantiqueira: o Primeira Estrada Syrah Gran Reserva 2018, que recebeu o prêmio de melhor syrah em 2020 na competição Wines of Brazil Awards, e o Primeira Estrada Chardonnay 2020. O primeiro passou por 12 meses em barrica e é de uma cor escura que chama atenção, assim como os aromas de frutas negras e pimenta. Na boca, possui um frescor ótimo e o sabor da fruta fica ainda mais saboroso.

    Já o Chardonnay também é bem apetitoso. Amanteigado, ele exala cheiro de uma fruta mais madura, com destaque para frutas brancas, acompanhando muito bem peixes brancos e saladas bem refrescantes. Mais um gol para o Brasil!

    Perdeu o programa? Confira na íntegra no nosso canal do YouTube:

    *O programa CNN Viagem & Gastronomia vai ao ar todo sábado, às 21h, na CNN Brasil. A CNN está no canal 577 nas operadoras Claro/Net, Sky e Vivo. Para outras operadoras, veja aqui como assistir. Horários alternativos: domingo, às 03h50, 13h10 e 20h40; Segunda-feira, às 01h10. Ou veja a íntegra no nosso canal no Youtube.


    Mais Recentes da CNN